sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

" E no meio de um inverno, eu finalmente
aprendi que havia dentro de mim
um verão invencível". Albert Camus.

"Ai, almas dos poetas. Não as entende ninguém. São almas de violeta, que são poetas também. Andam perdidas na vida, como estrelas no ar. Sentem o vento gemer. Ouvem as rosas chorar! Só quem embala no peito dores amargas, secretas, é que em noites de luar pode entender os poetas. E eu que arrasto amarguras, que nunca arrastou ninguém, tenho alma para sentir a dos poetas também! Poetas, poesia de Florbela Espanca.

0 comentários:

Seguidores